Lucubrações

Salvação? Tem certeza?

Uma vez uma irmã e amiga minha me perguntou sobre a certeza de salvação alegando que não acreditava que um Deus amoroso como o nosso amasse impondo condições ou agisse como carrasco em relação à nós  tirando a salvação a qualquer momento em que pecássemos (cá entre nós, também concordo). No movimento religioso em que ela cresceu se tem uma idéia de salvação na qual a mesma depende, em parte, das ações e obras da própria pessoa que, se não tomar cuidado, pode perder essa salvação. Muito natural que ela tenha ficado um tanto confusa com relação à esse assunto. Conversamos sobre, mas um tempo depois ela me envia um e-mail com muitas dúvidas ainda e, escrevendo, eu tive a oportunidade de expressar meu entendimento acerca disso de forma mais livre e com mais tempo pra pesquisar os textos bíblicos. É meu entendimento, claro, dentro de uma visão cristã fundamentalista, só pelo pouco que aprendi de Bíblia até hoje e sem pretensão de querer ser autoridade no assunto. Eis minha resposta, que foi escrita de maneira coloquial e bem pessoal:

Você tem razão quando diz que Deus não é um carrasco e não ama impondo condições. Até porque quando se impõe condições pra amar já não é amor né?!

Assim, nós não podemos julgar se uma pessoa aceitou Jesus de todo coração mesmo ou não, porque só Deus é que conhece nosso coração né!

Só podemos perceber se é um servo de Deus através dos frutos que essa pessoa produz na sua vida cristã, mas ainda assim é difícil dizer, porque se a pessoa não produz tantos frutos para Deus ele pode ser só um salvo frio na fé e de coração cauterizado, ou se ele produz muito na obra de Deus também não quer dizer que seja realmente salvo, ele pode ser só religioso e cumprir com as obrigações que a igreja dele determinou.

Um exemplo disso foi o pai de santo que eu fui entrevistar no terreiro de candomblé pra um trabalho da universidade. Ele disse que desde criança era evangélico e foi missionário da Assembléia de Deus por muitos anos e levou muita gente pra igreja. Mas hoje em dia ele diz que tem certeza da religião que tem, o candomblé (e inclusive, nas entrevistas eu percebi que 43% dos candomblecistas de Rio Branco eram evangélicos antes). Quer dizer, ele nunca foi crente em Cristo Jesus, ele era religioso de uma igreja evangélica. Em todas as denominações pode acontecer de ter gente assim, na minha, na sua, em todas.

A salvação é algo tão íntimo e pessoal, é uma decisão entre a pessoa e Deus, que ninguém pode dizer se outro é ou não salvo.

Assim, dá pra você saber o que a pessoa pensa da própria salvação pela certeza que ela tem e se essa certeza está firmada na palavra de Deus e não no que ela fez, faz ou deixa de fazer.

Quando você pergunta: “Se você morresse hoje pra onde você iria, pro céu ou pro inferno?”  As pessoas podem responder que vão pro céu, ou que não sabem, ou ainda que não sabem mas acham que vão pro céu. Dificilmente alguém vai dizer que tem certeza que vai pro inferno. Porque elas acham que sendo boas vão ter direito ao céu, e todo mundo se acha bom porque não tem muita idéia de como a santidade de Deus é infinita ao ponto de o melhor dos homens ser visto por Deus como o maior dos pecadores.

Daí você pergunta: “Porque você acha que vai pro céu?” ou ainda “Por que você acha que merece ir pro céu?” A resposta pode ser: “Ah, porque eu sou uma pessoa boa, nunca matei, não faço mal a ninguém”. Um salvo em Jesus Cristo de verdade vai dizer mais ou menos: “Não mereço o céu, pois ninguém merece, mas pela graça de Deus que me alcançou mediante a fé no sacrifício remidor de Cristo, arrependimento, humilhação e entrega de minha vida nas mãos de Deus, e pela certeza que a Palavra de Deus me dá disso tudo, estou certo de que tenho a salvação eterna.”

Nós temos a certeza da nossa salvação em Cristo porque O aceitamos como Senhor e Salvador, mas não por nós mesmas, pois não é com base no que nós fazemos ou somos, é, como a Bíblia diz, dom de Deus, pela fé e pela misericórdia de Deus e porque a graça dEle nos alcançou. Ele nos escolheu pelos critérios próprios dEle, que nós não entendemos. Efésios 2:8: “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie.”

Nisso eu vejo como Deus nos ama e é maravilhoso conosco. Porque dentre tantos perdidos que nasceram e que ainda vão nascer, Deus nos escolheu a dedo. Não por nós mesmas, mas porque Ele quis assim e nós não sabemos porque logo nós.

O certo é que se nosso Deus é um Deus eterno e imutável, as promessas dEle também são eternas e imutáveis, pois a Bíblia diz que Deus não pode negar Sua natureza.

Como exemplo vemos o povo de Israel que Deus prometeu ser uma grande e próspera nação, e mesmo rejeitando a Jesus e sendo infiéis a Deus, Ele permanece firme até hoje nas promessas que fez a esse povo. Ele não nega sua natureza de verdade e fidelidade no que promete, ainda que o povo seja infiél.

Em Hebreus 6:13-19 fala assim: “Porque, quando Deus fez a promessa a Abraão, como não tinha outro maior por quem jurasse, jurou por si mesmo, Dizendo: Certamente, abençoando te abençoarei, e multiplicando te multiplicarei. E assim, esperando com paciência, alcançou a promessa. Porque os homens certamente juram por alguém superior a eles, e o juramento para confirmação é, para eles, o fim de toda a contenda. Por isso, querendo Deus mostrar mais abundantemente a imutabilidade do seu conselho aos herdeiros da promessa, se interpôs com juramento; Para que por duas coisas imutáveis, nas quais é impossível que Deus minta, tenhamos a firme consolação, nós, os que pomos o nosso refúgio em reter a esperança proposta; A qual temos como âncora da alma, segura e firme, e que penetra até ao interior do véu“.

Se ler Hebreus 6 com bastante atenção verá quantos ensinamentos profundos e verá que não há espaço para dúvidas quanto a segurança da salvação dos escolhidos de Deus.

Olha o que diz Isaías 51:6: “Levantai os vossos olhos para os céus, e olhai para a terra em baixo, porque os céus desaparecerão como a fumaça, e a terra se envelhecerá como roupa, e os seus moradores morrerão semelhantemente; porém a minha salvação durará para sempre, e a minha justiça não será abolida” e Hebreus 5:8-9 “Ainda que era Filho, aprendeu a obediência, por aquilo que padeceu. E, sendo ele consumado, veio a ser a causa da eterna salvação para todos os que lhe obedecem.”

Ou seja, a salvação do Senhor é eterna.

Atos 4:12 diz: “E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos” e I Tessalonicensses 5:9 “Porque Deus não nos destinou para a ira, mas para a aquisição da salvação, por nosso Senhor Jesus Cristo”

Nossa salvação é baseada nAquele que é perfeito, Jesus Cristo. Pois não há nada nem ninguém perfeito pra nos amar com amor perfeito e nos dar a salvação perfeita de Deus. Não é uma salvação baseada em nenhuma outra força ou pessoa mutável ou falha. Ora, se é baseada na imutabilidade de Cristo, como seria modificada de alguma forma? Se uma hora você tem, outra hora você não tem, seria como dizer que uma hora Deus é fiel e perfeito, outra hora não é; uma hora o sacrifício de Cristo foi suficiente pra lavar os pecados e outra hora não foi. Seria mutável e contraditório. Mas nosso Deus é um Deus firme e sábio.

Efésios 1:13: “Em quem também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação; e, tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa.”

Aqui se vê a ação do Espírito Santo de Deus. Antigamente, antes de Jesus vir, morrer e ressucitar, o Epírito Santo se apossava de quem queria e poderia sair (como no caso do rei Saul). Pode-se ler Davi em vários salmos clamando a Deus para que Ele não lhe retire Seu Espírito. Por isso ainda precisava de sacrifícios de animais feitos pelos sacerdotes constantemente. Depois que Jesus foi assunto aos céus Ele disse que enviaria outro consolador, o Espírito Santo. A partir daí o Espírito Santo é habitante e não visitante.

Alguém aceita o Senhor como Salvador e é selado pelo Espírito de Deus, que também é Deus e também não é mutável. Não tem como uma pessoa ter o Espírito Santo hoje e amanhã não, não é mais assim, porque Jesus prometeu e rogou ao Pai que enviou de vez o Espírito aos que crêem para não nos deixar desamparados. É um selo eterno.

Olha que promessa maravilhosa em João 14:16: “E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre;”

Jesus foi mas não nos deixou desamparados e enviou o selo da salvação (Espírito Santo) que está conosco “para sempre”. Note que quando se traduz a Bíblia dos idiomas originais as características essenciais dos textos são sempre mantidas. Os atributos que são escritos com letras maiúsculas referem-se ao próprio Deus. Consolador se refere à pessoa da trindade que tem essa função de consolar, ou seja, o Espírito Santo.

Outras referências acerca da certeza da vida eterna:

João 3:36 “Aquele que crê no Filho tem a vida eterna; mas aquele que não crê no Filho não verá a vida, mas a ira de Deus sobre ele permanece.”

Ou seja, quem crê, não “está buscando a vida eterna”, não “está conseguindo a vida eterna”, nem “está esperando pra ver se vai ter ou não a vida eterna”. Aquele que crê no Filho TEM a vida eterna.

João 10:27-29: “As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu conheço-as, e elas me seguem; E dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão. Meu Pai, que mas deu, é maior do que todos; e ninguém pode arrebatá-las da mão de meu Pai.”

I João 5:10-13: “Quem crê no Filho de Deus, em si mesmo tem o testemunho; quem a Deus não crê mentiroso o fez, porquanto não creu no testemunho que Deus de seu Filho deu. E o testemunho é este: que Deus nos deu a vida eterna; e esta vida está em seu Filho. Quem tem o Filho tem a vida; quem não tem o Filho de Deus não tem a vida. Estas coisas vos escrevi a vós, os que credes no nome do Filho de Deus, para que saibais que tendes a vida eterna, e para que creiais no nome do Filho de Deus.”

Mas lembrando que a nossa certeza não é salvo conduto pra viver pecando. Pecar, é uma coisa, viver no pecado é bem diferente. Tem pessoas que acham que porque já são salvas podem fazer de tudo sem sofrer as consequências.

Hebreus 6:9: “Mas de vós, ó amados, esperamos coisas melhores, e coisas que acompanham a salvação, ainda que assim falamos.”

O que Deus espera de nós é confirmação da fé através das boas obras e da obediência que são as coisas que vem como consequência da salvação, são coisas melhores e não piores que antes.

Mateus 5:16: “Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus.”

É bom ler também Romanos do capítulo 9 até o 13 e Gálatas 3 também. Fala muito dessa questão do recebimento da salvação eterna pela fé e não por obras e também da importância das obras em confirmação da fé.

O que eu sei, é que se nossa salvação fosse baseada no que nós somos estaríamos todos perdidos. Mas graças a Deus ela é baseada nas promessas firmes e imutáveis de Deus e no sacrifício de Jesus que foi perfeito.

}ï{

Anúncios
Confissões

O casulo que protege lola

Rastejando a lola encontrou um casulo que nunca se desfaz. Pelo Deus Criador foi planejado. Um lugar onde a metamorfose acontece sem fim, enquanto ali viver. De onde, por vezes, se pode bater asas e voar livre, sem nunca se desligar por completo do seguro lar. Encasular é aconchegante também, e tão agradável como voar. Sair do ovo como larva, fortalecer-se e encasular para que a mudança aconteça, pode ser algo solitário e sofrido, ou pode ser algo extravagante e notável. Depende do extremo onde se encontra a lola. Lola é alcunha para a borboleta que por vezes se deixa apreciar e ama voar, mas pode entrar em seu casulo para se proteger e curar asas partidas. Aos simples curiosos que quiserem apreciar a transformação, a lola pode falar e compartilhar coisas que pensa, gosta e faz no casulo e fora dele. E os curiosos de fé, esperança e amor como ela poderão realmente entender a transformação com toda a sua dor e beleza. Às vezes olharão dentro e entenderão, mas às vezes só verão por fora sem entender bem o que se passa. Às vezes verão dor, às vezes verão beleza. Pois dor e beleza fazem parte dessa breve vida. Voando ou encasulando a lola sabe como são a dor e a beleza, mas também conhece bem a fé, a esperança e o maior deles, o amor do Criador. Pois é Ele quem sustenta a lola em qualquer lugar e situação.

“E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.” Romanos 12:2

}ï{

Lucubrações

Legalismo

O legalismo é tão perigoso quanto a libertinagem. A falta de regras bíblicas aplicadas da maneira adequada e com o equilíbrio que o nosso Deus nos ensina na Sua palavra gera cristãos atrofiados, mundanizados, infrutíferos para o Reino de Deus, levados por qualquer vento de ensinamento, incapazes de manter uma firmeza na doutrina bíblica, acabando assim, por dar um péssimo testemunho de vida cristã. Já o legalismo é outro lado da moeda que faz com que muitos cristãos sejam taxados de “bitolados” e “fanáticos”.

Posso definir como legalismo cristão o ato de crer mais nas leis e regras elaboradas pelos cristãos (ainda que  com roupagem de Bíblia) do que na própria Bíblia. É fato que a palavra de Deus precisa de estudo, interpretação adequada, mas não se pode criar regras e se apegar a elas sem observar o equilíbio de Deus. Afinal dentro das regras e do círculo de domínio do nosso Senhor sempre houve um equilíbrio entre princípios bíblicos, costumes, usos, práticas e doutrina. Se a doutrina, as regras, os costumes, os usos e as práticas são todos confirmados e inteligíveis na palavra do nosso Deus, ótimo! Façamos, pratiquemos, creiamos e obedeçamos, porque isso é agradável a Deus.

Mas se por outro lado, não se pode perceber, entender, explicar ou observar na palavra de Deus certas atitudes, certas práticas, ensinamentos, doutrinas, tradições e costumes, é fato que devemos fugir disso. Não se pode forçar a Bíblia de acordo com a conveniência, não se pode espremer a palavra de Deus de todas as formas na esperança de que goteje justificativa para tradições e opiniões pessoais, pois tradições e opiniões pessoais nem sempre estão de acordo com a vontade de Deus, são duvidosas. Fujamos desse mal hábito, pois é o legalismo se instalando e creio que esse expediente não é do Senhor. Enfim, nem 8 nem 80.

O trecho acima foi postado por mim em uma página do finado Ning em 02 de maio de 2010 e também em uma nota no meu facebook. Foi uma reflexão minha sobre certas situações que estavam me adoecendo emocionalmente na época. Estava perturbada com isso na igreja onde congrego devido à algumas atitudes de pessoas que preferiam colocar suas opiniões e posicionamentos pessoais acima da autoridade da Palavra de Deus e acima do amor cristão e tolerância que devemos ter uns pelos outros.

Bom, só quis colocar pra fora o que estava passando aqui dentro na época. Dúvidas eu ainda tenho. Onde termina minha liberdade individual? Quando devo começar a abdicar de minha opinião pelo grupo? Até onde eu posso ir no exercício da minha liberdade cristã? Até onde eu tenho que defender minha opinião pessoal? Como usar bem o bom senso cristão? Será que minhas opiniões pessoais estão essencialmente baseadas na Bíblia ou só tenho essas opiniões por puro costume, criação e tradição?

Todos os dias em várias situações, dentro e fora da igreja, vejo que as pessoas agem por conveniência, por tradições ou por pura preguiça mental. Preferem acomodar o cérebro e o espírito. Deixam a cargo dos outros o trabalho intelectual de busca por meios de aplicação da Bíblia na vida prática. Demorei para acordar, mas estou aprendendo que a zona de conforto pode ser cômoda (ainda que enfadonha pra alguém como eu), mas é na dura zona de confronto que se cresce intelectual e espiritualmente.

“E andarei em liberdade; pois busco os teus preceitos.” Salmos 119:45

}ï{

Confissões

Dorgas, manolo!

Detesto tomar remédios, mas eles são o maná que Deus providenciou nesse deserto de sofrimento mental pra salvar a minha vida. Não gosto de tantos comprimidos, apesar de ser grata a Deus por poder comprá-los. Já foram só 2 de manhã e 2 à noite: a Paroxetina, a Tradozona e o Lítio. Hoje, com o agravamento do quadro e um nível de estresse que o esquema anterior não conseguiu segurar, eu tomo 9 diariamente, distribuídos entre manhã, tarde e noite: a Lamotrigina, a Quetiapina e o Lítio (o cara que não pode faltar nem um dia sequer). Depois do meu surto eu tomei Cloxazolam (tarja preta), mas esse o médico já expulsou da minha vida. Evoluí né?! NÃO! Não suporto tomar nenhum. Mas como eu disse (e o médico também), esse esquema atual é pra salvar a minha vida. Se não tem outro jeito, então que seja! Tomo chorando e reclamando, mas tomo todos os dias. Então, amém para os psicofármacos chatos e diários, mas salvadores.

“E deste o teu bom espírito, para os ensinar; e o teu maná não retiraste da sua boca; e água lhes deste na sua sede.” Neemias 9:20

}ï{

Confissões

Lagarta saindo do ovo

Não fiquem com nojo. Ela ainda será linda!

Bom, pra início de conversa preciso deixar bem claro que não tenho grandes pretensões com esse cantinho que arrumei pra escrever minhas sanidades e insanidades e compartilhar o que achar que devo do meu dia a dia. Não tenho pretensão de ter uma grande audiência nem nada assim. Postar coisas aqui pra mim é só algo que acho que talvez me ajude a me expressar melhor.

Esses tempos descobri que está mais fácil escrever do que falar. Até porque as palavras escritas não se perdem com tanta rapidez quanto as palavras ditas, e muitas vezes aquelas machucam menos que estas, pois temos mais tempo para pensar no que escrever do que para pensar no que falar. A larvinha de borboleta quando decide sair do ovo não sabe o que vai encontrar fora, mas ela sente que precisa sair. Mesmo sentindo que pode haver um pássaro faminto esperando para devorá-la, ela se aventura para ver no que vai dar. Escrever aqui, pra mim vai ser como sair do ovo também.

“Tu conservarás em paz aquele cuja mente está firme em ti; porque ele confia em ti.” Isaías 26:3

}ï{