Bilhete de suicídio

“Querido, Tenho certeza de estar ficando louca novamente. Sinto que não conseguiremos passar por outra daquelas fases difíceis. E sei que não poderei me recuperar desta vez. Comecei a escutar vozes e não consigo me concentrar. Portanto, estou fazendo o que parece ser a melhor coisa a fazer. Você me deu a maior felicidade possível. Não creio que duas pessoas pudessem ser mais felizes até chegar esta doença terrível. Não consigo mais lutar. Você foi, em todos os sentidos, mais do que qualquer outro poderia ser. Sei que estou arruinando sua vida e que sem mim, você poderá trabalhar. E você o fará, eu sei. Veja, não consigo sequer escrever isso apropriadamente. Não consigo ler. O que quero dizer é que devo toda a felicidade da minha vida a você. Você tem sido inteiramente paciente comigo e incrivelmente bom. Se alguém pudesse me salvar, teria sido você. Tudo está acabado para mim, exceto a certeza de sua bondade. Não posso mais continuar estragando sua vida. Não acredito que duas pessoas possam ter sido tão felizes quanto nós fomos.” Virgínia.

O trecho acima foi o bilhete de suicídio de Virgínia Woolf ao marido Leonardo Woolf. Uma brilhante escritora britânica que sofria de doença maníaco-depressiva, hoje conhecida como transtorno bipolar. Para mim ela não morreu de suicídio, morreu de tanto voar alto e mergulhar profundamente. E mergulhou pela última vez no rio vestindo um casaco com pedras nos bolsos e, sem forças para continuar lutando, se deixou afogar pela doença.

Que o Senhor dos Exércitos seja sempre meu casulo protetor, para que a doença não me coma viva, não me destrua, não me tire o juízo e a noção da realidade. Que eu não arruíne a vida da minha família. Que a sanidade mental, que tanto me esforço para manter, e aparentar em público, não se vá de vez, visto que ultimamente sua presença tem sido intermitente. Ela está aqui em alguns momentos mas em outros não sei aonde ela vai. Saúde (física ou mental) é algo frágil como borboleta, se apertar ela despedaça, se desdenhar, voa para longe.

“O temor do Senhor é fonte de vida, para desviar dos laços da morte.” Provérbios 14:27

}ï{

Anúncios

Sobre a dona do blog

Pecadora redimida por Aquele que morreu na cruz e ressurgiu. "Pois ele conhece a nossa estrutura; lembra-se de que somos pó." Salmos 103:14
Esse post foi publicado em Confissões e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s