Presente de aniversário: uma (longa) carta.

Casulo, 13 de Outubro de 2012.

Cara aniversariante,

Não sei bem por onde começar, aliás, por onde começaremos, já que desde sempre dividi espaço com outro inquilino indesejável, do qual nem o nome eu sabia, mas que agora já identifiquei: Transtorno de Personalidade Limítrofe ou Borderline, TPB para os íntimos. Os sinais dele sempre estiveram aqui, como você não notou? Acho que é por que ele se parece muito comigo. Dois inquilinos indesejáveis e uns Ataques de Pânico que apareceram pra visitar de vez em quando. Visitas apavorantes que pareciam não ir embora nunca. Bom, vou escrever falando por nós todos.

Hoje você completa mais 366 dias de vida (esse ano é bissexto né?!). Todo ano as pessoas passam por isso mas a maioria é do tipo que dá novo significado ao seu dia de aniversário quando experimenta alguma situação limite. Um acidente, uma doença que as deixe entre a vida e a morte, um trauma qualquer. Depois muitos dizem: “Vou viver cada dia como se fosse o último”, “Agora tenho duas datas de aniversário”, “Nasci de novo!” e por aí vai. Você já nasceu de novo não é mesmo?! Mas de certa forma continua nascendo de novo a cada dia, se esforçando como Hércules e pedindo a Deus pra dar conta de renovar o significado dos seus dias, renovar sua força.

Não estou te escrevendo para te dizer “Feliz aniversário!” ou “Parabéns pra você!” por pura convenção social, por educação. Isso é tão lugar comum e sei que você detesta lugares comuns, embora aceite quando te falam essas coisas no seu aniversário, sem necessidade de festas, claro. Nem todo mundo consegue pensar em outras coisas pra dizer ou às vezes não há muito o que dizer por que uma parte dos seus conhecidos tem medo de você, não sabem como vai reagir, e você sabe entender isso. Mas não tente me enganar mocinha! Eu estou dentro da sua cabeça e sei que você gosta quando ganha presente às vezes, mesmo ficando com vergonha quando não tem como retribuir. Tudo que dão ou fazem para você lhe soa como um empréstimo ou um incômodo aos outros. Eu sei que você sabe de onde vem isso. Falamos disso depois.

Mas enfim… estou te escrevendo pra te dizer “Muito Obrigado e me perdoe”. Obrigado porque você parou de se revoltar contra mim, parou de se ressentir contra Deus, que foi quem te deixou nascer comigo e o outro grudados no seu DNA, presos no seu cérebro. Perdão por todas as vezes em que você chorou sozinha à noite, desesperada, berrando muda, gritando pra dentro, pra não acordar o resto da casa. Sei que teve uma hora que não deu mais pra segurar. Sua irmã acabou vendo você chorar encolhida no canto do quarto noite após noite. Ironicamente esses episódios ocorriam muitas vezes após encontros animadíssimos com amigos, nos quais suas gargalhadas exageradas eram ouvidas bem longe. Sei que se sente culpada por sua irmã ter tido que presenciar seus momentos depressivos quando era criança ainda. Mas você já era uma criança mentalmente doente que mal podia dar conta de si. Perdão por isso!

Obrigado por pensar na sua mãe e esconder tudo dela durante boa parte da vida quando percebeu que não adiantava tentar dizer o que sentia. Ela nunca ouvia. Quando ouviu não acreditou e depois de acreditar nunca entendeu. Agradeço por ter paciência com ela, que não sabia nada sobre mim, sobre o outro, sobre o pior de todos ou mesmo sobre você. E continua não sabendo, mas se esforça pra suprir o que consegue: comida, remédio… Obrigado por chorar escondida, com uma confusão mental tremenda, e sempre dizer aos curiosos: “Não foi nada, eu tô bem!” Eles não iriam entender mesmo e só causariam mais confusão pra nós.

Já pensou?! Poderíamos ter sido levados à religiosos de vários tipos com a intenção de tirar algum “demônio” dessa sua cabecinha doente. Poderíamos ter sido internados naquele hospital mental, na década de 80 ou 90, que ainda não tinha nem métodos nem estrutura adequados. Me perdoe por te deixar tão angustiada comigo na cabeça, a ponto de chorar alto algumas vezes e, sem saber dizer o que era, quase apanhar de cinto por isso. Afinal, você não passava fome, nem frio, tinha roupas, calçados, casa, escola, família e por isso não tinha razão pra chorar. Todo mundo pensava assim. Você se enfurecia, exagerava em tudo, chamava atenção demais e demonstrava todas as atitudes típicas de quem me carrega na cabeça. Levou puxões de cabelo, foi mal vista por minha culpa. Perdão por isso também!

Obrigado por ter sofrido calada e não guardar mágoa por todas as vezes em que seus amigos e conhecidos falavam de você por causa das suas atitudes, da maneira como agia, das coisas que dizia, e que você ficava sabendo depois. Você sofria com a intensidade e violência de sofrimento mental que só um bipolar conhece. Se desesperava com uma profundidade de desespero que só quem vive no limite consegue sentir. Mas quanto mais comentários, indiferença e um certo desprezo velado, mais você sentia falta de cada um deles. Nunca deixou de amá-los por não te compreenderem, nunca os ignorou, apesar de se chatear por eles serem ignorantes acerca de nós. Isso continua acontecendo até hoje com novos amigos e conhecidos, e você sente falta dos antigos, eu sei! Eu e o TPB afastamos muitos de você e fizemos você se isolar muitas vezes com medo de sofrer ou de incomodar alguém. Desculpe por fazer você se fechar e desconfiar da maioria, não se aproximar já com medo da perda. Sinto muitíssimo!!

Obrigado por ter deixado o Espírito agir antes da carne, pelo menos na maioria das vezes e até o ponto em que você podia controlar. Se assim não fosse, você já estaria morta, enfrentaria processos judiciais, seria mais uma detenta na penitenciária ou simplesmente uma interna em hospital psiquiátrico. Me desculpe por descontrolar a pessoa que você é e fazer com que os outros pensem que eu e você somos a mesma coisa. Perdão por sua mente ser uma montanha russa, por você não ter a mente saudável como a maioria mas, por outro lado, devo agradecer pois você aceita isso não só como uma desventura mas também como uma dádiva. Você consegue ver vantagem no fato de ser assim e consegue interpretar sua vida como não sendo tão parva quanto as vidas de muitos. Você ainda tem esperança e fé suficientes pra se resignar à sua condição e tentar aprender com ela. Obrigado por isso, viu!

Peço mil desculpas pelas vezes em que te fiz enlouquecer tanto que mesmo medicada, te levei a tentar nos matar 3 vezes. Aproveitando, graças a Deus que minhas tentativas não deram certo e você está viva. O cérebro só queria descansar e eu só queria acabar com o nosso sofrimento. Obrigado por ter sido resistente! E eu poderia te chamar de vaso ruim, que não quebra. Mas você está mais para garrafa pet, que os carros passam por cima, as pessoas jogam longe e chutam, as crianças pisam e brincam com ela, ela pega porrada de tudo que é lado, fica amassada, rachada, destruída, mas continua ali e ainda pode ser reciclada. Eu posso te matar, mas você não tira força de você mesma pra se manter viva. Eu posso te exaurir com infindáveis altos e baixos mas é lá do alto mais alto de todos que vem a resistência. E por isso você continua sem tentar nos matar. Talvez possa acontecer novamente, não sabemos. Mas peço perdão antecipadamente, caso aconteça. Sei que não quer isso estando bem, nem mal. Quem quer sou eu quando desequilibro mais ainda  e você é quem leva a culpa.

Mas nem tudo é desgraça. As pessoas comuns, ordinárias, simples, não sabem o que é ter estrelas cadentes na mente, uma revoada de borboletas chegando e saindo o tempo inteiro. Não sabem o que é conseguir associar e ter ideias em quantidade tão grande, com tanta facilidade e com tanta rapidez que às vezes a fala, a escrita ou qualquer meio de expressão não conseguiriam demonstrar. Poucos entendem porque sua mente às vezes vai mais rápido e mais fundo. Na verdade o povo normal entende pouco do que você escreve, menos ainda do que fala e quase nada do que você é. Poucos sabem o que é ter um universo tão grande dentro de si. Não estou me gabando pelos seus pensamentos. Mas uma mente tem muitas áreas a serem estimuladas pra despertar ou potencializar aptidões. Eu só potencializo o que já existe e desperto o que está adormecido. Consigo fazer isso com algumas mentes mais e com outras menos. Você já reclamou disso e houve quem dissesse, pra consolar, que genialidade e loucura andam de mãos dadas. Mas eu tenho plena certeza de que você não se considera um gênio nem de longe, da mesma maneira que não se considera nem de longe uma louca.

Eu sou difícil, e as pessoas não entendem que você age do jeito que age, fala como fala, pensa como pensa, se expressa como se expressa e reage como reage, por minha culpa e do TPB, esse bastardo! Você está lutando conosco há tanto tempo e ainda está respirando. Você sente tudo com uma intensidade, profundidade, furor e força que poucos mortais conseguem. E quer saber? Acho que vejo melhor do que esses mortais que não percebem o mundo de coisas boas que você tem a oferecer. Entendo melhor do que os ‘normais’, que não conseguem ver além do que os olhos podem enxergar e só te consideram uma pessoa difícil de lidar. Na verdade eles não entendem o que tem no seu cérebro porque não vivem isso. Se vivessem saberiam como é a dor e a delícia de ter uma desordem mental mas parecer o que eles chamam de ‘normal’.

Sei que não fez grandes planos para este dia (como as pessoas comuns fazem), não tem pessoas disponíveis com quem possa comemorar à sua maneira, do seu jeito. Sei que não vai estar cercada de gente, até porque não gosta de multidão nem de festinha surpresa e praticamente não tem amigos próximos. Sei que não vai receber muitas felicitações dos conhecidos. Baixa popularidade é um dos preços que se paga por ser ‘estranha’. O bom é que você nunca ligou muito pra isso. Não precisa ser gênio pra notar que você precisa muito mais das pessoas quando seus queridos transtornos estão te estrangulando.

Hoje às 23 horas e 45 minutos você fará 29 anos. Há 29 anos você veio a este mundo corrompido,  mas já estava escolhida e separada. Nasci com você e ao longo da sua vida fui me desenvolvendo, hora te atrapalhando, hora te ajudando. Sei que não tenho direito de pedir, mas por favor se esforce pra chegar aos 30 anos! E como o futuro só pertence a Deus, continue com seus planos de não fazer muitos planos. Você precisa continuar e lembrar que “Até aqui nos ajudou o Senhor.” (I Sm 7:12) e Ele nunca vai te deixar. Pra terminar, acho que a melhor maneira de felicitá-la pelo seu aniversário é dizendo: Me perdoe por estar na sua vida mas muito obrigado por continuar vivendo!

Com apreço,

Transtorno Afetivo do Humor Bipolar

P.S.: O Transtorno de Personalidade Limítrofe manda lembranças (como se precisasse).

}ï{

Anúncios

Sobre a dona do blog

Pecadora redimida por Aquele que morreu na cruz e ressurgiu. "Pois ele conhece a nossa estrutura; lembra-se de que somos pó." Salmos 103:14
Esse post foi publicado em Confissões e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s