Meu Castelo

Já vi escrito em vários lugares a frase “Guardo todas as pedras do meu caminho. Com elas construirei meu castelo“. Sinto pelos que precisam guardar as pedras que encontram pelo caminho de suas vidas para que possam, um dia quem sabe, erguer um castelo. Quantas pedras serão necessárias juntar para construir um castelo decente? Que castelo será esse? Qual o seu tamanho? Sobre qual alicerce será erguido? Será como uma fortaleza ou como aqueles que fazemos (ou tentamos fazer) com a areia da praia? Em tempos de guerra precisamos de uma fortaleza bem construída, segura, com muralhas firmes, portões resistentes e fundamentada sobre rochas. Em tempos furiosos como os que estamos vivendo, nos quais chamam o certo de errado e o errado de certo, nos quais a relativização da moralidade já está passando dos limites suportáveis, precisamos desesperadamente de refúgio. Será que conseguimos sozinhos, com quaisquer pedras, construir castelos confiáveis para nós mesmos?

Com olhos marejados e nó na garganta escrevo. Lágrimas e engasgo pelo muito desprezo que vejo aos alicerces mais firmes, pelo total repúdio às fortalezas que podem nos abrigar da desgraça, pela cruel zombaria contra o que há de mais seguro e certo no universo. Desde a existência dos seres viventes, celestiais e terrenos, aliás, desde uma eternidade até a próxima eternidade há uma Fortaleza já construída, um Castelo que não se abala, um Castelo que não é prisão, é proteção contra as flechas que zunem no ar e espadas que tinem lá fora. Deus, que segurança podem ter os seres viventes fora do Teu abrigo? Os cegos que julgam ver claramente, os seres sem afeição que se consideram tolerantes, amantes de si mesmos e não do próximo como tentam convencer a si próprios e aos demais humanos. Aliás, humanos? Que humanidade há por aí? Seres humanos atualmente praticam atos dignos de demônios – assassinar bebês indefesos, por exemplo.

Na verdade me parece que os demônios já são aprendizes de uns que se intitulam humanos, tamanha tem sido a sanha pelo mal que estes tem demonstrado. Ao serem confrontados com sua própria perversão de alma e com seu próprio egoísmo, muitos se debulham em justificativas. Serem donos(as) de si mesmos(as) é o argumento mais utilizado por quem se vê de cara com seu pecado. Para não terem que assumir “Eu sou perverso(a)!”, “Eu sou assassino(a)!”, “Se eu quiser matar, eu mato!”, filosofam sobre a afirmação de seus corações enganosos: “Eu sou dono(a) de mim mesmo(a), portanto tenho o direito de fazer o que eu bem entender!“. Constroem seus castelos filosóficos cheios de ódio mascarado de alguns direitos humanos. O direito à vida, por exemplo, assiste aos vivos e já paridos. Porém, de acordo com a conveniência, não pode servir aos humanos que só não foram paridos ainda, mas que já estão vivos. Incoerência pouca é bobagem.

Em tempos de seres que já nem sei o que são, tempos em que não poucos constroem castelos de areia sobre mais areia, só posso ser grata por ter uma fortaleza, A Fortaleza. O meu Castelo Forte para o qual eu posso correr, onde posso me refugiar, e onde certamente há uma mesa posta para mim. Martinho Lutero, em tempos furiosos e de perseguição a tudo o que é de Deus, se refugiou em um castelo para escapar da morte da qual estava jurado. Ele bem soube o que é a angústia e o sofrimento de ver quem se ama sendo vilipendiado, desprezado, escarnecido. Ele bem sabia que a perseguição não era a ele, mas ao Criador dele. Do meio da tristeza, das lágrimas, mas também da esperança, surgiu um dos mais belos louvores, que até hoje tem sido entoado em várias versões e em diversos idiomas por aqueles que amam a Deus e que aceitam Seu refúgio seguro. Nem o nó na garganta que a podridão do mundo tem me causado esses dias podem me impedir de cantar em gratidão pelo meu Castelo eterno.

 

Castelo Forte
Por Martinho Lutero (letra original traduzida do alemão)

Uma poderosa fortaleza é o nosso Deus/ Boa defesa e armas de ataque;
Ele nos ajuda a libertar de toda a angústia/ Que a nós tem agora afetado.
O velho inimigo, o mal/ Agora significa desgraça mortal,
Ele tem poder grande e é muito esperto/ Sua defesa é cruel,
Na Terra não há igual.

Com o nosso poder nada pode ser feito/ Estamos muito perto de perder;
Mas há um Homem certo para esta disputa/ A quem o próprio Deus elegeu.
Pergunta você: “Quem é este?”/ Seu nome é Jesus Cristo,
O Senhor dos Exércitos/ E não há nenhum outro Deus,
Ele manterá o campo.

E Se o mundo estiver cheio de demônios/ Que nos querem devorar,
Não tenhamos, portanto, tanto medo/ Teremos sucesso ainda.
O príncipe deste mundo/ Quão terrível se faz,
Porém ele não poderá fazer nada/ Pois já está julgado,
E uma pequena palavra pode derrubá-lo.

A Palavra ainda ficará/ Permaneçamos grato por ela;
E Ele estará a vontade sobre a situação/ Com Seus dons e o Espírito.
Que levem o nosso corpo/ Os bens, a fama, crianças e esposa;
Pois embora tudo isso vá/ Eles não têm nada a ganhar,
Mas o Reino será nosso.

“Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará” Gálatas 6:7

}ï{

Anúncios

Sobre Dona Lola

Pecadora, redimida, justificada, serva, peregrina, esperançosa, crente e portadora de seu próprio espinho na carne. Pertencente Àquele que morreu na cruz e ressurgiu, habitada pelo Consolador enviado e filha do Pai Eterno. Eternamente feliz, não importam as aflições.
Esse post foi publicado em Lucubrações e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s