Arquivo da tag: poesia

Vejo borboletas

Vejo borboletas em todos os lugares Quando menos espero De mãos dadas em pares Embaixo da cama Atrás da porta Surgem E são sorrateiras Procurando casa Encontrando fogo Saindo de seu casulo Voam de capacete Estarei em casa Para quando … Continuar lendo

Publicado em Lucubrações | Marcado com , , | 1 Comentário

Dia nublado

Dia nublado. Céu branco-acinzentado e não azul. Não fico bem de branco nem de cinza, mas de azul. Quando o dia se deprime ou se enluta, Em branco-acinzentado  Prefere se mostrar. Bom comprar um vestido azulado … ou mesmo um … Continuar lendo

Publicado em Confissões | Marcado com , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Pablo Neruda trilíngue

Sonnet 17 I love you without knowing how, or when, or from where. I love you straightforwardly, without complexities or pride; so I love you because I know no other way. Soneto 17 Te amo sin saber cómo, ni cuándo, … Continuar lendo

Publicado em Confissões | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

Casulo

Borboletas me olhando, boca seca, taça com água. Não meio cheia, menos, mas não vazia. Que espere o banho. Levanto agora? Que espere o resto. Sinos tocando… Móbile parado, janela fechada, Ventilador desligado. Lá fora está quente? Réstia de luz, … Continuar lendo

Publicado em Confissões | Marcado com , , , | Deixe um comentário